Área queimada no país em 2020 é quase 5 vezes menor que em 1 ano de governo Lula

As queimadas no Pantanal estão se tornando foco de muitas críticas, inclusive internacionais, ao Governo do presidente Jair Bolsonaro em 2020. Mas um dado revela que o número de queimadas em todo o país esse ano é quase cinco vezes menor do que em 2007, no segundo mandato do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A informação foi publicada pelo apresentador do programa Manhattan Connection, da GloboNews, e economista Ricardo Amorim. “As imagens de animais queimados no Pantanal são chocantes. Temos de fazer tudo o que está a nosso alcance para controlar e evitar as queimadas. Também é importante termos uma perspectiva histórica do problema das queimadas. Elas atingiram seu recorde em 2007, ano em que foram registrados 393.915 focos de incêndios e 588.387 km² queimados, de acordo com a série histórica registrada pelo Programa Queimadas do INPE”, escreveu o apresentador.Em 2020, até o dia 22 de setembro, foram registrados 147.940 focos de incêndios, com 121.318 km² de área queimada. Os dados de área queimada são só até agosto e, portanto, não incluem as queimadas recentes, que devem elevá-los.O INPE usa dados produzidos por nove satélites. São utilizadas imagens dos satélites polares NOAA-18, NOAA-19 e METOP-B, as MODIS dos Nasa Terra e Aqua, as VIIRS do NPP-Suomi e NOAA-20 e as imagens dos satélites geoestacionários GOES-16 e MSG-3. Cada satélite de órbita polar produz pelo menos dois conjuntos de imagens por dia, e os geoestacionários geram várias imagens por hora. Os dados são recebidos nas estações de Cachoeira Paulista (SP) e Cuiabá (MT).Um foco precisa ter pelo menos 30 metros de extensão por 1 metro de largura para que os satélites de órbita possam detectá-lo. No caso dos satélites geoestacionários, a frente de fogo precisa ter o dobro de tamanho para ser localizada. Um foco indica a existência de fogo em um pixel de imagem. Neste pixel pode haver uma ou várias queimadas distintas. O sistema é o mesmo sistema usado pela NASA.

Comentários

comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *