Operação Carta Marcada: sobre direcionamento de licitações, Justiça determina prisão temporária de quatro ex-secretários e busca contra Amastha e Otoniel

A Polícia Federal cumpre nesta terça-feira, 21, oito mandados  de prisão temporária e 27 de busca e apreensão no Tocantins e em outros quatro estados para desarticular suposto esquema criminoso montado por agentes políticos, funcionários públicos e empresários para o direcionamento de licitações e desvio de recursos federais através de contratos de locação de veículos firmados por secretarias de Palmas. A Operação Carta Marcada atinge em cheio a gestão do ex-prefeito Carlos Amastha (PSB).

Quatro ex-secretários com prisão decretada e busca e apreensão contra ex-prefeitos

A  4ª Vara Federal do Tocantins decretou a prisão temporária de quatro ex-secretários: Adir Gentil, Christian Zini e Claudio Schuller, por três dias; e de Cleide Brandão, por cinco. Além destes, também foram alvos do mandado os empresários Marco Zancaner Gil, Luciano Valadares Rosa, Carlo Raniere Soares Mendonça  e José Emilio Houat. Além dos nomes já citados e de suas empresas, buscas e apreensões ainda foram autorizadas contra os ex-prefeitos Carlos Amastha (PSB) e Otoniel Andrade (PSDB), de Porto Nacional; e outros ex-membros da administração do pessebista, como Públio Borges, Luiz Teixeira e Berenice de Fátima, irmã do vice-governador Wanderlei Barbosa.

Afastamento de sigilo bancário

O Judiciário ainda autorizou o afastamento do sigilo de dados bancários de janeiro de 2014 a junho deste ano dos investigados. O sigilo fiscal também foi levantado pela 4ª Vara Federal do Tocantins.

Desvios de mais de R$ 15 milhões

O inquérito policial apura o conluio entre empresários e servidores para fraudar licitações e desviar recursos públicos destinados a contratação de veículos para atender a prefeitura de Palmas, além de outros crimes conexos, bem como a conduta daqueles que visam o aproveitamento das vantagens ilícitas. A suposta organização é suspeita de ter se apropriado de mais de R$ 15 milhões através destes contratos. 

Corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades pelos crimes de fraude à licitação, peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa.

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *