Argentina vota lei do aborto nesta quarta; prática é legal em 63 países

Segundo a imprensa argentina, não há previsão acerca do resultado da votação. No entanto, estima-se que os senadores que são contra sejam maioria

projeto de lei que tem como objetivo legalizar o aborto na Argentina será votado nesta quarta-feira (8) pelo Senado do país.

O projeto foi aprovado em junho pela Câmara dos Deputados e visa a legalização da prática do aborto em até 14 semanas de gestação. Segundo a imprensa argentina, não há previsão acerca do resultado da votação. No entanto, estima-se que os senadores que são contra sejam maioria.

Na legislação atual, a Argentina permite o aborto somente em casos de estupro ou quando a saúde da mãe está em risco. Em outros casos, a prática tem punição de até quatro anos de prisão para o médico e para a mulher.

Movimentos feministas e grupos de direitos humanos são favoráveis a aprovação da nova lei. Por outro lado, grupos religiosos de origem católica e evangélica fazem pressão contra a aprovação.

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, afirmou ser contra a legalização do aborto, mas disse que não vetará a lei caso o projeto seja aprovado pelo Senado.

No Brasil, o assunto também é discutido nesta semana em audiências públicas no STF.

De acordo com um levantamento do Center for Reproductive Rights, uma ONG dos EUA que estuda políticas públicas pró-aborto, a interrupção da gravidez é legal em 63 países e é permitida em outras 13 nações, mas alguns têm regras que variam a respeito do tempo de gestação (12 meses). Em 124 países a prática é proibida.

Confira abaixo os países em que o aborto é legalizado:

África do Sul, China, Itália, Romênia, Albânia, Coreia do Norte, Kosovo, Rússia, Alemanha, Croácia, Letônia, Sérvia, Armênia, Cuba, Lituânia, Singapura, Austrália, Dinamarca, Luxemburgo, Suécia, Áustria, Eslováquia, Macedônia, Suíça, Azerbaijão, Eslovênia, Moçambique, Tajiquistão, Bahrein, Espanha, Moldávia, Tunísia, Belarus, Estados Unidos (lei aplicada por cada estado), Mongólia, Turquemenistão, Bélgica, Estônia, Montenegro, Turquia, Bósnia-Herzegovina, França, Nepal, Ucrânia, Bulgária, Geórgia, Noruega, Uruguai, Cabo Verde, Grécia, Porto Rico, Uzbequistão, Camboja, Guiana, Portugal, Vietnã, Canadá, Holanda, Quirguistão, Cazaquistão, Hungria, República Tcheca.

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *