Uruguai convoca embaixador brasileiro por declarações de Bolsonaro sobre eleição presidencial

A chancelaria uruguaia convocou nesta quinta-feira (31) o embaixador brasileiro Antônio Simões para pedir “explicações” sobre as declarações do presidente Jair Bolsonaro a respeito das eleições no Uruguai, informou o Ministério das Relações Exteriores em comunicado.

“O Ministério das Relações Exteriores convocou o embaixador da República Federativa do Brasil no Uruguai, senhor Antônio Simões, e lhe solicitou explicações sobre as expressões proferidas pelo senhor presidente Jair Bolsonaro ao jornal ‘O Estado de S. Paulo’ em 29 de outubro, relacionadas com o processo eleitoral que se desenvolve em nosso país”, diz a nota oficial.

Bolsonaro fez declarações ao jornal “O Estado de S. Paulo” sobre os processos eleitorais no Uruguai e na Argentina – onde o peronista Alberto Fernández foi eleito em uma chapa com a ex-presidente Cristina Kirchner. O presidente não parabenizou a dupla pela vitória.

“O Uruguai foi para o segundo turno, tem a situação, que vem da política do Pepe Mujica, e uma oposição que é mais alinhada com nossos pensamentos liberais e econômicos. Esperamos, torcemos que aconteça a eleição de alguém mais ligado ao nosso time, aí teríamos o Uruguai afinado conosco”, disse Bolsonaro em entrevista ao jornal.

“Não tivemos nenhum problema com o Uruguai no tocante à economia com o atual presidente, mas temos de nos preparar sempre para o pior, porque você não pode dizer que foi surpreendido com os fatos. A política não acontece de uma hora para outra”, acrescentou.

Candidato critica declaração

O candidato da oposição no Uruguai, o ex-senador Luis Lacalle Pou (Partido Nacional, centro-direita), criticou na quarta-feira as declarações de Bolsonaro sobre as eleições uruguaias.

“Acho que não é bom que os políticos, e nesse caso governantes, opinem sobre o que pode acontecer em outro país”, disse Lacalle Pou em declaração ao jornal uruguaio El Observador.

“O Uruguai, por sorte, não decide sobre o que os brasileiros pensam, decide sobre o que lhe diz respeito e sobre o que os uruguaios precisam”, disse o advogado de 46 anos que concorrerá com o candidato do governo Daniel Martínez, um engenheiro de 62, em 24 de novembro para definir sobre o próximo presidente do Uruguai.

Martínez disse em uma entrevista recente à AFP antes do primeiro turno que se vencer deverá negociar com Bolsonaro como presidente.

“Há valores que Bolsonaro expressa e coisas que ele faz que, obviamente, não vou mentir, seria hipócrita se eu dissesse que gosto”, afirmou.

“Também não gosto de [Donald] Trump. Isso não quer dizer que teremos problema”, porque “meu dever é buscar melhorar as relações entre os povos”.

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *