I Ciclo de Palestras contra à Corrupção acontece um dia após o desaparecimento da DRACMA em minuta de regimento

O evento foi realizado pelo Sindepol/TO e contou com a presença da Delegada que foi titular da DECASP/PE, extinta em 2018

Anunciado desde 2018, o I Ciclo de Palestras contra à Corrupção coincide com minuta de regulamentação em que a Delegacia de Repressão a Crimes de Maior Potencial contra a Administração Pública (Dracma) desaparece da Secretária de Segurança Pública. O evento foi realizado no auditório da Defensoria Pública e contou com a participação da Delegada Patrícia Domingos, que atuou no combate à corrução como titular da Delegacia de Crimes Contra à Administração e Serviços Públicos de Pernambuco (DECASP), que em novembro do ano passado, por meio de decreto do atual governador, foi extinta.

O evento iniciou às 9h do sábado, 06, e teve como tema “O controle social e o papel do cidadão fiscalizador”. Destinado a Delegados da Polícia Civil e a toda comunidade, o evento reuniu cerca de 40 pessoas.

A Delegada palestrante, Patrícia Domingos, apresentou uma série de exemplos em que a ação policial contou com a participação da população fiscalizadora em Pernambuco e sugeriu a iniciativa no Tocantins. “É o silêncio dos bons que está fomentando o mal. Sejam curiosos, divulguem, pesquisem”, instigou a Delegada, que sugeriu a viralização de denúncias de corrupção, com fonte segura, como uma forma de reação popular. “Se querem bloquear um par de olhos, então eu vou treinar milhares de pares de olhos”, declarou a Delegada que hoje faz uma série de palestras pelo Brasil, acerca da participação popular na fiscalização política”

Segundo a estudante de direito, Maria Eduarda Alencar, que compartilhou seu episódio como denunciante de irregularidade pública. “Por meio dessas experiências eu já me considero um pouco mais ativa e isso é muito importante. Com certeza eu continuarei denunciando. Já denunciava e irei ainda mais agora, sabendo que isso nos dá muito mais poder e voz”, compartilhou a estudante.

Segundo o presidente do Sindepol/TO, Mozart Felix, o Ciclo de Palestras deverá ocorrer mensalmente, sempre com alguma personalidade de reconhecimento nacional no combate à corrupção. “Nós estamos fazendo esse Ciclo para que a sociedade tenha ferramentas para reconhecer atos de corrupção praticados pelos governantes e saiba se proteger e denunciar esses atos”, afirma o presidente Mozart.

Delegados

O Estado do Tocantins conta hoje com 220 unidades operacionais da Polícia Civil, com cerca de 180 delegados na ativa, distribuídos nos 139 municípios. Atualmente o Sindepol/TO têm 182 Delegados filiados entre aposentados e na ativa e sempre busca promover eventos de capacitação aos profissionais que lutam em prol da segurança da comunidade no combate à corrupção.

*Ascom Sindepol/TO

Por Sarah Pires e Sarah Tamioso

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *